Quinta-feira, 29 de Novembro de 2007

Ninguém morre sozinho!

Decididamente estou arrumado; não só porque as minhas actuais circunstâncias em nada me ajudam a superar-me da mesma forma que o tenho vindo a fazer no decurso da minha vida até esta parte, mas, sobretudo, sobretudo isso!, porque, ao invés do que aos quatro ventos se apregoa com todas as forças, o tempo em que estamos não deixa sequer espaço para que as pessoas tenham alguma, por pouca que seja, possibilidade de se dar e dar-se à tarefa nada árdua de ajudar aqueles que à sua volta também existindo procuram ser Pessoa, integrada, activa, participativa e participante na vida quotidiana.

Dizia eu que estava arrumado; não porque no que confere à minha Pessoa isso seja uma evidência, mas porque a evidência é outra: tenazmente mais feroz, que é a destruição da raça humana destruindo todo o tipo de valores que ao longo da vida as aproximou, solidarizou e ajudou a Crescer: promovendo uma forma de estar, e não de Ser, que apenas dignifica o factor económico em deferimento dos mais elementares Direitos da Carta Universal dos Direitos do Homem.

O homem do séc. XXI desaprendeu a adiar a gratificação; desaprendeu que tudo aquilo que sonhou um dia poder alcançar só se alcança assumindo-se a responsabilidade do objectivo alcançado, sendo-se o mais verdadeiro e coerente possível, não só para consigo próprio, para com todos aqueles que o rodeiam e para com a sociedade, encimando tudo isto, qual vértice de uma pirâmide suportada por 4 segmentos de recta, com o máximo de equilíbrio que venha a contribuir para que a riqueza gerada e criada por todos e por cada um encontre espaço para que quantitativamente possa vir a ser distribuída e multiplicada por todos em que o denominador comum dessa mesma partilha seja o verdadeiro equilíbrio de forças e ideais que tenham sido pensados e criados de forma a que todos sejam uma parte do todo em que, por isso, venha a construir e criar o que na realidade, tendi direito, é seu.

Por tudo isso que atrás referi estou arrumado, pois que não são as minhas circunstâncias motivo para que, também eu, não possa Ser Pessoa, activa e participativa na sociedade actua: esta é que me arrumou a um canto, ou numa prateleira, à espera que chegue o meu fim, esquecendo que ele só por si não chegará, pois que ninguém morre sozinho: a sociedade, toda a sociedade, ajuda!

José Pedro Amaral
28.11.2007
publicado por escrevinhando às 10:09
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Novembro de 2007

O Amor, a posse e o sofrimento

Não confundas o amor com o delírio da posse, que acarreta os piores sofrimentos. Porque, contrariamente à opinião comum, o amor não faz sofrer. O instinto de propriedade, que é o contrário do amor, esse é que faz sofrer. (...) Eu sei assim reconhecer aquele que ama verdadeiramente: é que ele não pode ser prejudicado. O amor verdadeiro começa lá onde não se espera mais nada em troca.

(Antoine de Saint-Exupéry, in 'Cidadela')

Fonte: http://pensamentos.com.sapo.pt/

publicado por escrevinhando às 02:32
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 23 de Novembro de 2007

Testemunho

" Já vivi o suficiente para poder olhar para trás, mas sou
ainda jovem quanto baste para poder sentir  a minha alma "

 (Lenny Kravitz em "Can´t get you off my mind")
publicado por escrevinhando às 22:11
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 9 de Novembro de 2007

A Glória de Viver

Quando uma porta de felicidade se fecha, outra abre-se; mas muitas vezes,

nós olhamos tanto tempo para a porta fechada que não podemos ver aquela

que se abriu diante de nós. É maravilhoso ter ouvidos e olhos na alma.

Isto completa a glória de viver”.

 

Helen Keller

publicado por escrevinhando às 11:05
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 7 de Novembro de 2007

O Caminho memos percorrido

Procurei Deus, e não O vi;

 

Procurei a Alma, também não A vi;

 

Procurei o próximo, e encontrio-Os a todos!

 

 

José Pedro Amaral

Taizé-Brasil - Dezembro 2004

publicado por escrevinhando às 22:09
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 4 de Novembro de 2007

A tua Presença faz a diferença

Um dia, quando eu era caloiro na escola, vi um miúdo da minha  turma a
caminhar para casa depois da aula.
O nome dele era Kyle. Parecia que estava a carregar os seus livros todos.
Eu pensei: 'Porque é que leva para casa todos os livros numa sexta-feira ?
Ele deve ser mesmo um marrão.
Como já tinha o meu fim-de-semana planeado(festas e um jogo de futebol com
meus amigos no sábado a tarde), encolhi os ombros e segui o meu caminho.
Conforme ia caminhando, vi um grupo de miúdos a correr na direcção dele.
Eles atropelaram-no, arrancando-lhe todos os livros dos braços e
empurraram-no, de tal forma que ele caiu no chão. Os seus óculos voaram, e
eu vi-os aterrarem na relva a alguns metros e onde ele estava. Ele ergueu o
rosto e eu vi uma terrível tristeza nos seus olhos.
 O meu coração penalizou-se por ele. Então, corri até ele enquanto ele
gatinhava à procura dos óculos, e pude ver  lágrimas nos seus olhos.
Enquanto lhe entregava os óculos, eu disse: 'Aqueles tipos são uns parvos.
Eles deviam era arranjar uma vida própria'.
Ele olhou para mim e disse: Ei, obrigado! Havia um grande sorriso na sua
face.  Era um daqueles sorrisos que realmente mostram gratidão.
Eu ajudei-o a apanhar os livros, e perguntei-lhe onde morava. Por
coincidência ele morava perto da minha casa, então  eu perguntei como é que
nunca o tinha visto antes. 
Ele respondeu que antes frequentava uma escola particular. Conversámos todo
o caminho de volta para casa, e carreguei-lhe os livros. Ele revelou-se um
miúdo muito porreiro.
Perguntei-lhe se queria jogar futebol no Sábado comigo e com os meus amigos,
ele disse que sim.  Ficamos juntos todo o fim-de-semana e quanto mais eu
conhecia Kyle, mais gostava dele. E os meus amigos pensavam da mesma forma.
Chegou a Segunda-Feira, e lá estava o Kyle com aquela quantidade  imensa de
livros outra vez.

Parei-o e disse,'Diabos, pá, vais fazer o quê com os livros de novo?  Ele
simplesmente riu e entregou-me metade dos livros.
Nos quatro anos seguintes Kyle e eu tornámo-nos melhores amigos.
Quando nos estávamos a formar começámos a pensar na faculdade. Kyle decidiu
ir para Georgetown, e eu ia para a Duke. Eu sabia que seríamos sempre
amigos, que a distância nunca seria um problema.  Ele seria médico, e eu ia
tentar uma bolsa escolar na equipa de futebol.
Kyle era o orador oficial da nossa turma. Eu provocava-o o tempo todo por
ele ser um C. D. F. Ele teve que preparar um discurso de formatura.
Eu estava super contente por não ser eu a subir ao palanque e discursar.
No dia da Formatura eu vi Kyle. Ele estava óptimo. Era um daqueles tipos que
se encontram durante a escola.
Ele estava mais encorpado e realmente tinha uma boa aparência, mesmo usando
óculos. Ele saía com mais miúdas do que eu, e todas as raparigas o adoravam!
Às vezes eu até ficava com inveja.

Hoje era um desses dias. Eu podia ver o quanto ele estava nervoso por causa
do discurso. Então dei-lhe uma palmadinha nas costas e disse: Ei, rapaz,
vais-te sair bem! Ele olhou para mim com aquele olhar aquele olhar de
gratidão) e sorriu. Valeu, disse ele.

Quando ele subiu ao oratório, limpou a garganta e começou o discurso:

'A Formatura é uma época para agradecermos aqueles que nos ajudaram durante
estes anos duros. Aos pais, aos professores, aos irmãos, talvez até a um
treinador. Mas principalmente aos amigos. Eu estou aqui para lhes dizer que
ser um amigo para alguém é o melhor que se pode dar.
Eu vou-lhes contar uma história.
Eu olhei para o meu amigo sem conseguir acreditar enquanto ele contava a
história sobre o primeiro dia em que nos conhecemos.

Ele tinha planeado suicidar-se naquele fim-de-semana.

Contou a todos como tinha esvaziado o seu armário na escola, para que a mãe
não tivesse que fazer isso depois de ele morrer, e estava a levar as suas
coisas todas para casa.
 Ele olhou directamente no meus olhos e deu-me um pequeno sorriso.
'Felizmente eu fui salvo. O meu amigo salvou-me de fazer algo inominável'.
Eu observava, com um nó na garganta, todos na plateia, enquanto aquele rapaz
popular e bonito contava a todos sobre aquele seu momento de fraqueza. E vi
a mãe e o pai dele a olharem para mim e a sorrir com aquela mesma gratidão.
Até aquele momento eu nunca me tinha apercebido da profundidade do sorriso
que ele dirigiu naquele dia.
Nunca subestimes o poder das tuas acções. Com um pequeno gesto podes mudar a
vida de uma pessoa. Para melhor ou para pior. Deus coloca-nos a todos nas
vidas uns dos outros para que tenhamos um impacto um sobre o outro de alguma
forma. Procura o bem nos outros.

 

(Autor desconhecido)

publicado por escrevinhando às 21:00
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. Você Já Amou Tanto Assim!

. Verdades Inconvenientes

. Magos e Anjos, a Verdade ...

. Sabedoria de um Mestre

. Recordar é Viver

. Jesus....

. Poema de Ano Novo

. O que fará sentido, afina...

. O Pedreiro

. O Verdadeiro Sentido da V...

.arquivos

. Março 2010

. Novembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds